AddThis Social Bookmark Button

Fábulas & Paradigmas

A Zebra e as Hienas


    Numa bela floresta, andava uma zebra perdida de seu grupo. Era um tanto dispersiva, o listrado quadrúpede, vivia contemplando a paisagem e nem sempre percebia onde estava. Aproveitava para olhar melhor ao redor antes de voltar para casa, bem devagar. Um dia, perdeu a hora e galopou, mas não previra que um grupo de hienas cortasse seu caminho. Por sorte, elas haviam comido e não a matariam – assim supôs -, porém como as hienas são agressivas, cuidou de rumar em outra direção.

    - Ora, zebra, estás com pressa? Fica conosco para brincar! Disseram as hienas rodeando o quadrúpede.

    A zebra pensou que não haveria mal nisso e aceitou brincar. Ficou no centro e as hienas lhe explicaram que deveria dançar ao ritmo de suas risadas. Então, começaram a rir e a zebra a dançar. Tudo parecia bem até o momento em que a zebra ficou cansada e quis parar, mas as hienas riam histericamente e fecharam a roda. A zebra viu olhos brilhantes, bocas abertas e dentes pontiagudos.
Amedrontada, esperava o momento em que pudesse sair por uma abertura eventual no círculo.

    - Zebra - disse a mais feroz das hienas -, estás cansada? E aproximou-se um pouco mais.

    A zebra aproveitou o deslocamento da hiena e, dando coices, conseguiu sair do centro galopando para casa. As hienas agruparam-se chorosas pela caça perdida e foram procurar outra vitima nas redondezas.
Moral da História: Uma vítima natural nunca deve brincar com seus naturais carrascos.

Rachel Gazolla

Visite a seção  “Fábulas e histórias” no site www.hypnos.org.br

Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Pau que nasce torto se endireita

 Edson Pipoca

Por que um pensador de esquerda dá pra trás?! Bem, há a derrocada do comunismo... não, não! Parece-me algo mais palpável, sabe?! Matéria pura! Eu por exemplo tive um amigo que era o tipo de esquerda de carteirinha, quer dizer, sem carteira, já que não tinha dinheiro pra nada. Um duro!

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Ciência e pós-modernidade

AS DIFICULDADES DO SABER CIENTÍFICO NAS SOCIEDADES PÓS-MODERNAS: CONCEPÇÕES E CRÍTICAS A JEAN-FRANÇOIS LYOTARD

Artur Mazzucco Fabro

Graduando em Ciências Sociais na UFSC

Jean-François Lyotard nasceu em 1924 e é considerado um dos mais brilhantes filósofos da sua geração. O francês fazia parte do grupo “Socialismo e Barbárie”, junto com Cornelius Castoriadis, e foi um ativista da guerra de independência da Argélia (1954-1962).

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A arte como fator de existência 

Uma análise da obra do artista plástico Neusso Ribeiro

Regina Drumond Moraes

Curso de Filosofia da UFES

Este artigo tem como objetivo explicar e analisar a obra do artista plástico autodidata Neusso Ribeiro.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Questões de filosofia da ciência: um panorama atual

Leonardo Francisco Schwinden

Professor da Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando em Epistemologia – UFSC

 Resenha de:

Ciência: conceitos-chave em filosofia /Steven French;

Trad.: André Klaudat. - Porto Alegre: Artmed, 2009, 196p.

Ciência: conceitos-chave em filosofia é uma introdução atualizada de filosofia da ciência escrita pelo professor Steven French com base no material utilizado por ele com os alunos do primeiro ano na Universidade de Leeds. O livro é composto de um total de 10 capítulos, relativamente curtos, embora bastante densos em termos da quantidade de teorias analisadas e aspectos considerados de cada uma. As notas ao final de cada capítulo contêm não apenas referências de obras citadas no texto,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Sandro Cozza Sayão

Doutor em Filosofia – PUCRS; Mestre em Filosofia – PUCRS

Mestre em Educação Ambiental – FURG; Professor Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco; Professor do Programa de Pós Graduação Mestrado/UFPE; Membro da Comissão de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Membro do Núcleo de Ciência e Cultura de Paz da UFPE

 

Não há dúvida que nosso tempo é singular e porque não dizer frágil. A esperança de um mundo mais digno e ético e a idealização de uma sociedade mais justa baseada no progresso científico, econômico e tecnológico, não mais se sustentam e isso nos leva a um interim,

Leia mais...