AddThis Social Bookmark Button

Poesia, linguagem e habitar em Heidegger

 Siloe Cristina do Nascimento Erculino

Mestranda em Filosofia -  UFES

Heidegger (1889-1976), filósofo alemão, desenvolveu em seus trabalhos “a questão do sentido do ser” , segundo ele, foi esquecido pela metafísica.

Ele compreende o homem como ser-aí, isto é, a existência do “dasein” como um ser-no-mundo que é possível, apenas inserido no tempo. Esta compreensão é a pedra fundamental que sustenta o pensamento heideggeriano, e está presente também na sua conferência “poeticamente o homem habita”. Nesta tarefa precisaremos desenvolver o “habitar” a partir de seu vigor essencial, que implicará o entendimento da “quadratura” e o resguardo de suas quatro faces. Veremos brevemente o que é isto à linguagem, e esta nos permitirá compreender como a poesia realiza o des-velamento das significações originárias do mundo para assim podermos atingir o escopo principal deste estudo, ou seja, como a poesia e o habitar estão entrelaçados.

 

Habitar

O fenômeno de habitar revela a essência do existir do homem, pois habitar é o modo como os homens são e estão sobre a terra. É acolhendo o céu, salvando a terra, aguardando os deuses e reconhecendo a morte que o homem habita como parte constitutiva da existência humana. O traço fundamental do habitar é estar submetido às estas condições, pois o homem só pode existir como ser-no-mundo, isto é, na quadratura. A unidade originaria terra, céu, mortais e deuses traduz o que é o habitar, os quatro elementos só se dão em relação e não podem ser pensados separadamente. É na co-pertinência que o mundo se torna mundo e homem se torna homem, dessa maneira são reveladas as possibilidades de ser do homem e ser das coisas. É pela diferença dos elementos da quadratura que há o ajuste na unidade originaria. Se o homem é ser-no-mundo, e o habitar é o modo pelo qual os mortais são e estão no mundo, o habitar se relaciona não apenas com o residir em um lar, porém também com o construir, ou com as possibilidades de ser-no-mundo. Construir é habitar em seu sentido originário. Construir pode ser edificar uma construção bem como cultivar, ambos são modos do homem existir no mundo em relação com as coisas: todas as construções humanas, as modificações que ele faz a sua volta, constituem o habitar. O homem não é senhor da terra independente e soberano. Ele só pode cultivar se resguardar a quadratura, que mostra o lugar fértil na terra e as condições de clima e estações do céu. A quadratura mostra como o homem não constrói o mundo, muito menos o contrario, os dois se dão na unidade originaria, em relação. O cultivo ilustra o modo de ser do homem na quadratura, ele planta na terra fértil, escolhe a estação, desenvolve agrotóxicos, hormônios, estufas, mas ao plantar a semente na terra é preciso respeitar o tempo das coisas. O homem, “cheio de méritos”, habita, cultiva, colhe, constrói... Porém, mesmo com os méritos, a exploração e a degradação das coisas existe, e é resultado de não saber resguardar a quadratura em sua essência. A tentativa de dominação do homem, de ser senhor da terra e ser senhor da linguagem, mesmo sendo apenas um servo, parte integrante da quadratura que só pode ser vista ou entendida em sua conjuntura, não vê nas coisas o seu vigor. Daí a destruição e o desequilíbrio, enquanto que uma relação de espera resguardaria as quatro faces da quadratura.

 

[...] os méritos dessas múltiplas construções nunca conseguem preencher a essência do habitar. Ao contrário: elas chegam mesmo a vedar para o habitar a sua essência, tão logo sejam perseguidas e conquistadas somente com vistas a elas mesmas. (HEIDEGGER, 1997, p. 169).

 

Resguardar a essência é resguardar o sentido do ser, demorar-se junto às coisas, permanecer junto a elas. Homem e coisa são resguardados quando entregues ao seu vigor, liberdade é deixar o ente ser aquilo que é, tornar-se o que se é.

 

Linguagem

A linguagem surge na relação da quadratura, em que o ser-ai, se relaciona e compreende o ser na ação. É na linguagem que as coisas nascem e verdadeiramente se realiza o des-velamento das significações do mundo: hermenêutica da experiência do acontecimento do Ser que se revela ao homem e determina o modo como ele se interpreta e aos outros entes.  A linguagem é o acontecimento em que o ente se abre[1]. (Rosete, 2007). O “dasein”, a existência humana compreende e se relaciona com o Ser, é ele que articula os significados que são descobertos para o Ser dos entes. Ao pensar a linguagem devemos nos remeter à compreensão e à interpretação. No discurso há uma compreensão prévia, pois o remete para suas próprias possibilidades de Ser e estar no mundo; e a interpretação é a apropriação dessa compreensão de Ser, a descoberta do significado do Ser na ação. Assim a fala rotineira é apenas falatório, pois, se a interpretação é a descoberta do significado do Ser e do “dasein” na ação, compreensão e interpretação são mais que discursos sintáticos e gramáticos que o homem pronuncia, são os fundamentos ontológicos-existênciais da linguagem. O falatório é o modo cotidiano com que o homem se relaciona com as coisas, modo inautêntico do “dasein” se relacionar com o ser: permanece na superfície, na pré-compreensão do que as coisas sejam. Ele fala sem pertença de maneira informativa e não promove a experiência de pensar o que se está ouvindo, é o discurso vazio que perdeu a sua “significação ontológica verdadeira” ou o elemento do ser. Mas há um modo autentico ou poético que busca o sentido do ser, deixa em aberto a relação entre homens e coisas, não as esgota em um único sentido, mas pensa o sentido do Ser em cada uma das relações. A poesia permite o significado originário da palavra:

 

“Quanto mais poético um poeta, mais livre, ou seja, mais aberto e preparado para acolher o inesperado é o seu dizer; com maior pureza ele entrega o que diz ao parecer daquele que o escuta com dedicação, e maior que separa o seu dizer da simples proposição”. (HEIDEGGER, 1997, p.168)

 

Poesia

Mostramos anteriormente o que é habitar para Heidegger e sua relação com a quadratura, desenvolvemos que a linguagem é o fundamento ontológico das coisas, pois é nela que ocorre o acontecimento do Ser que o “dasein” está lançado. Ora, é na linguagem que se dá a abertura para o mundo e a poesia é a obra suprema da linguagem, uma vez que permite perscrutar as dimensões ontológicas autênticas do que foi nomeado. Aprofundaremos aqui a relação entre a essência do habitar e a essência da poesia: “[...] cabe pensar a essência da poesia, no sentido de um deixar habitar, como o construir por excelência”. (HEIDEGGER, 1997, p.167). A poesia é o acontecimento do medir, medindo-se com o divino o homem revela o desconhecido e preserva-o em seu velamento. A dimensão é a fissura onde as coisas se dão, ou seja, é a medida aberta entre céu e terra. A poesia é a tomada dessa medida que consiste em desocultar e deixar ver o que se encobria, resguardando o que se encobre em seu encobrir. Por isso a medida para a poesia é o divino e não a terra, pois o modo poético da linguagem busca o sentido do ser e deixa em aberto o campo das relações entre homem e mundo. “(...) a medida, que o poeta toma, tem como destino o estranho em que o invisível resguarda a sua essência, na fisionomia familiar do céu”. (HEIDEGGER, 1997, p.178). Os homens desejam nomear e definir, de maneira que coisas e utensílios ganhem um sentido só, o que não é possível. Heidegger nos exorta a ouvir o “apelo da linguagem”, isto seria desobstruir as pré-compreensões para sair do modo inadequado da linguagem, abandonar o falatório. Para isso o homem precisa deixar a tentativa fracassada de ser senhor da linguagem, e retornar ao seu sentido poético, uma percepção do real para além da superfície de pré-compreensões cotidianas, aberto ao campo de relações para acolher o inesperado na quadratura. “(...) o poético extrai a sua capacidade reveladora inesgotável do ser que solicita o pensamento, apelando para o dizer da linguagem.” (NUNES, 1992, p. 262). No modo poético a linguagem fala, a palavra é mais que um vocábulo, é o que leva uma coisa a ser coisa, posto que palavras e coisas nascem juntas, e nomeando, a poesia se funda. Porém o poeta não funda um vocábulo ou conceito fixo e definido, do contrario se funda no des-velamento e deixando a quadratura vigorar em sua essência, isto é, deixa o “dasein” como ser-no-mundo entregue à relação. A poesia funda o “dasein”, pois mostra como está ligado à totalidade, toda nomeação poética invoca a unidade originaria da quadratura e o campo de relações entre seus componentes. Ao pensar o mortal tem-se como relação o imortal, ao dizer céu tem-se a terra, cada elemento reflete a maneira de ser do outro, em outras palavras, poeticamente se funda na quadratura de tudo o que é, e ao fundar os entes, a poesia funda o homem como habitante da terra. A poesia dá a medida entre homens e deuses, revela a essência do homem como mortal e como ser-no-mundo, habitante da terra. Assim pode-se dizer que “cheio de méritos” com construções, tecnologias, meio de transportes... porém “poeticamente o homem habita”, uma vez que o movimento da linguagem no acontecer desencobre e compreende as possibilidades de se relacionar com o Ser, e habitar é, justamente, o modo como os homens são e estão no mundo, assim, ditar poeticamente é habitar em seu sentido inaugural.

 

Referências brbliográficas

 NUNES, Benedito. Passagem para o poético: filosofia e poesia em Heidegger. 2ª Ed. - São Paulo: Ática, 1992.

HEIDEGGER, Martin. Ensaios e Conferências. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

Rosete, Isabel. A arte como poesia essencial em que um povo diz o ser. 2007. Disponível em: http://www.consciencia.org/heideggerisabelrosete4.shtml. Acesso em: 01. Ago, 2013

Saramago, Ligia. A Topologia do Ser: Lugar, Espaço e Linguagem no Pensamento de Martin Heidegger. Rio de Janeiro: PUC-rio, 2008.

Werle, Marco Aurélio. Poesia e pensamento em Hölderlin e HeideggerSão Paulo: UNESP, 2005.



[1] Vale acrescentar que se é na linguagem que se dá o ser das coisas, e a poesia é a obra suprema da linguagem, a poesia é arte, enquanto a arte for entendida como o que transparece com mais vigor a verdade do ente.


 

  • leiamais

Leia também outros artigos

40. O realismo exemplarista
AddThis Social Bookmark Button

O realismo exemplarista:Uma breve análise da questão 46 do livro sobre oitenta e três questões diversas de Sto. Agostinho

Adriano Soler
Mestrando em Filosofia - PUCSP


O aristotelismo tenta definir a essência de uma coisa e assim, demonstrar quais características que determinada coisa deve ter de acordo com a sua natureza. Assim, surgem os aristotélicos com uma questão por demais complexa, que seria: O que é uma natureza, se ela é uma realidade superior e acima das coisas cuja natureza ela é? Ou ainda, se ela é uma construção mental que existe apenas em nosso entendimento das coisas e se assim for, em qual base ela é construída? Desta forma, se inicia o problema dos universais na filosofia medieval.

Leia mais...
39. Teste seus conhecimentos
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus conhecimentos

1. Segundo Plotino, podemos afirmar, quanto à alma:

a             Cada homem possui uma única alma, a qual é una e indivisível;

b             O homem possui duas almas, uma originada no Caos e outra no Cosmo;

c              O homem  possui duas almas, uma  causada  pelo   divino  outra  pelo   universo,     as    quais   se   unem definitivamente após a morte do  homem;

d             O homem possui duas almas, uma causada pelo divino  outra pelo universo, as quais se separam após a morte do homem.

Leia mais...
Sustentabilidade, sociedade e educação: como integrá-los
AddThis Social Bookmark Button

Sustentabilidade, sociedade e educação:

como integrá-los

Atualmente a educação tem por objetivo desenvolver na criança a capacidade resolver problemas, por meio da aplicação dos conteúdos aprendidos e esse processo é mediado pelo professor.  Alem de aprender conceitos, na escola a criança aprende a ser cidadã. Não podemos deixar de trabalhar a educação

Leia mais...
38. EDUCAÇÃO E EXISTENCIALISMO: um diálogo possível entre Freire e Sartre
AddThis Social Bookmark Button

EDUCAÇÃO E EXISTENCIALISMO: um diálogo possível entre Freire e Sartre

 José Alan da Silva Pereira

Graduado em licenciatura plena em filosofia pela faculdade de filosofia, ciência e letras de Caruaru – FAFICA. Atualmente mestrando em filosofia pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

1. Introdução

 

          No prefácio para o livro Pedagogia do Oprimido, o professor Ernani Maria Fiori traz um dos testemunhos mais contundentes e uma das frases mais elucidativas sobre a personalidade educadora de Paulo Freire: “Paulo Freire é um pensador comprometido com a vida: não pensa ideias, pensa a existência” (FREIRE, 2005, p. 7). Ao ler tal sentença, percebemos a partir de onde um diálogo pode ser estabelecido entre esses dois gigantes do pensamento contemporâneo, a saber: Freire e Sartre.       

Leia mais...
40. O mistério do mal
AddThis Social Bookmark Button

O mistério do mal

Wellington Lima Amorim
Doutor em Ciências humanas - UFSC
Mateus Ramos Cardoso
Pós-Graduado em  Filosofia - Univ. Cândido Mendes- RJ


O Mal sempre nos causa medo e espanto e nos repele de nossa própria realidade, seja ela entendida como o mundo no qual nos encontramos ou mesmo a realidade pessoal. Mas e quando somos nós que o realizamos? Será que somos capazes de descrever o Mal explicitando-o com nossas próprias palavras ou ações? O que tem o Mal a ver com Deus? O que tem o Mal a ver conosco?

Leia mais...

Paradigmas 41

AddThis Social Bookmark Button

A viagem suicida pós-moderna

A solidão como saída

Mateus Ramos Cardoso

Especialista em Ética pela Finon

                  Nosso modo de viver moderno é caracterizado pelo desenvolvimento cada vez mais rápido no qual a tecnologia a cada dia supera a si mesma. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A arte como fator de existência 

Uma análise da obra do artista plástico Neusso Ribeiro

Regina Drumond Moraes

Curso de Filosofia da UFES

Este artigo tem como objetivo explicar e analisar a obra do artista plástico autodidata Neusso Ribeiro.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Poesia, linguagem e habitar em Heidegger

 Siloe Cristina do Nascimento Erculino

Mestranda em Filosofia -  UFES

Heidegger (1889-1976), filósofo alemão, desenvolveu em seus trabalhos “a questão do sentido do ser” , segundo ele, foi esquecido pela metafísica.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Ciência e pós-modernidade

AS DIFICULDADES DO SABER CIENTÍFICO NAS SOCIEDADES PÓS-MODERNAS: CONCEPÇÕES E CRÍTICAS A JEAN-FRANÇOIS LYOTARD

Artur Mazzucco Fabro

Graduando em Ciências Sociais na UFSC

Jean-François Lyotard nasceu em 1924 e é considerado um dos mais brilhantes filósofos da sua geração. O francês fazia parte do grupo “Socialismo e Barbárie”, junto com Cornelius Castoriadis, e foi um ativista da guerra de independência da Argélia (1954-1962).

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Kant: possibilidades e limites da ciência

O porquê de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência, com base nas Seções de IV a VI da Introdução da Crítica da Razão Pura de Kant.

José Antonio Zago
Mestre em Filosofia da Educação UNIMEP

O objetivo deste trabalho é apresentar uma dissertação com base na leitura das Seções de IV a VI da Introdução da obra Crítica da Razão Pura, demonstrando o porquê, para Kant, de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Com Eduardo Palmeira Bandeira,

Psicólogo Clínico Pós-graduado pela Univ. da California-USA.
Prof. de Teorias e Técnicas Psicoterápicas e Arteterapia;

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Quinhentos Anos de Quê?


Eram três as caravelas
que chegaram além d`além
mar.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XIII - n. 41

ISSN 1980 - 4342

março/abril – 2014

Leia mais...