AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Com Eduardo Palmeira Bandeira,

Psicólogo Clínico Pós-graduado pela Univ. da California-USA.
Prof. de Teorias e Técnicas Psicoterápicas e Arteterapia;

Instrutor e Fundador do
Centro de Meditação Budista de Santa Teresa/RJ;
ex vice-presidente da Sociedade Budista do Brasil.

Colaboração:

Luiz Meirelles

 

1. Qual a relação entre Psicologia e Filosofia? Como a Filosofia pode contribuir para Psicologia e vice-versa?Eduardo : A Psicologia nasceu da Filosofia. Antes, falava-se em Antropologia Filosófica, mas, depois o acumulo de conhecimentos e informações ficou tão grande, que um novo ramo de conhecimento desenvolveu-se, inclusive com algumas vertentes negando a própria filosofia como o Comportamentalismo.

Mas, é inegável a contribuição de alguns filósofos reconhecidos às ideias psicológicas. Desde Sócrates, que enfatizou o Oráculo de Delfos em sua sentença “conhece-te a si mesmo”, muitos outros filósofos desenvolveram temas sobre a Psique e o comportamento humano. É interessante que alguns pensadores atuaram nos dois campos da Psicologia e da Filosofia.

Alguns exemplos são Willian James, com seus Princípios de Psicologia, obra reconhecida como basilar na Psicologia do inicio do séc. XX, e depois seus trabalhos filosóficos sobre o Pragmatismo, corrente da teoria do conhecimento, lançada por Pearce, mas, divulgada e popularizada por ele.

Temos também Karl Jasper, psicoterapeuta e filosofo do Existencialismo.

Atualmente podemos citar, Eugene Gendlin, psicólogo austríaco radicado nos EUA, colaborador de Rogers na Universidade de Chicago, criador da técnica psicoterapêutica da “Focalização” e também filosofo com obra na área da Teoria do Conhecimento.

A Filosofia sendo a base, a terra mãe onde brotou a Psicologia, não pode ser esquecida por esta, que  como Ciência aplicada deve apoiar-se em seus postulados básicos

 

2. Os fundamentos das varias correntes das psicoterapias dialogam com a Filosofia ou há uma tendência de afastamento radical?

 

Em algumas linhas de psicoterapia, existe uma quase fusão entre as duas. Filosofia e Psicologia. Uma linha importante atualmente é a Dasein Análise, que se baseia quase que totalmente na filosofia Existencial de Heidegger, outra, a Logoterapia, de Viktor Frankal, também filósofo existencialista e psiquiatra. Existe uma confluência  na teoria do Encontro Eu-Tu de Martin Buber e a Abordagem Centrada na Pessoa e os Grupos de Encontro de Carl Rogers, embora Rogers negue a influencia de Buber em seu trabalho. Houve aí apenas uma visão semelhante e independente de ambos pensadores

A tendência de um afastamento radical  vejo apenas no Comportamentalismo de Skinner ou no Behaviorismo de Watson, pois nessas linhas a consciência humana é deixada de lado como um epi-fenomeno, pois não pode ser quantificada, e sem quantificação não há Ciência para eles, daí toda a importância ser dada ao comportamento, pois esse é quantificável.

 

3. Você foi aluno e conviveu com Carl Rogers durante muitos anos. Quais as correntes filosóficas que você vislumbra em sua teoria?

 

Fui aluno, parceiro e amigo de Carl e uma vez fiz esta pergunta a ele.

- Carl, quais foram seus mentores para que você construísse suas teorias ?

Ele me respondeu, que não havia nenhum em especial. Seu trabalho surgiu de sua prática e foi se construindo aos poucos. Daí eu o associo ao Pragmatismo de William James, que defende a posição de que é verdade aquilo que funciona. Rogers foi testando as diferentes linhas de psicoterapia existentes na época, 40-50, com ênfase na Psicanálise de Freud, mas constatou que elas eram inviáveis para o trabalho que ele estava desenvolvendo, era diretor de um Centro de Reabilitação para Menores Infratores em Rochester-  NY. A partir de suas atitudes e observações foi desenvolvendo seu sistema próprio, que teve a sua validade comprovada em várias pesquisas que desenvolveu com vários colaboradores, principalmente na Univ. de Chicago para onde foi lecionar e dirigir o Departamento de Psicologia.

O filósofo que ele cita é Kierkegaard. “Ser aquilo que se é”

 

4.  O Oriente e o Ocidente estiveram sempre em diálogo, mas é comum nas academias que os conhecimentos orientais sejam desprezados.

Você considera relevante o estudo comparado entre essas vertentes de conhecimento, tanto na Psicologia como na Filosofia?

 

Sim, só por preconceito ou desinformação, pode-se descartar o conhecimento Oriental em termos de Filosofia. Entende-se a desinformação, pois eram difíceis de se conseguirem  textos confiáveis bem traduzidos, mas o Oriente milênios antes da Grécia, considerada o berço da Filosofia, já trabalhava questões estritamente filosóficas separadas das Religiões . Principalmente na Índia, onde a filosofia era matéria de reflexão importante e já existiam tratados de lógica “Nyaias” centenas de anos antes de Cristo.

O Homem é uma síntese dessas duas posições aparentemente antagônicas, mas na verdade complementares  da introversão Oriental e a extroversão Ocidental, daí a importância dessa integração.

Alguns filósofos ocidentais, como Pitágoras e Schopenhauer, conseguiram descobrir esse manancial de Sabedoria do Oriente e integraram em suas obras conhecimentos daí advindos.

 

  • leiamais

Leia também outros artigos

Artefato Cultural - Manuel do coração
AddThis Social Bookmark Button

Artefato Cultural

 

Este e outros textos podem ser lidos em www.artefatocultural.com.br

Carta de Mário de Andrade para Manuel Bandeira

São Paulo, 18 de abril de 1925.

Leia mais...
Expediente 33
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

ISSN 1980-43442

Edição 33

Janeiro/Fevereiro 2007

Leia mais...
Espaço-Poesia 34
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

 Título: A casa do Poeta

 Algum lugar, presente lugar, lugar do paraíso

Leia mais...
40. Charles S. Peirce: A lógica da investigação e sua semiótica
AddThis Social Bookmark Button

Charles S. Peirce:
A lógica da investigação e sua semiótica

Luiz Meirelles

Mestre em Filosofia - PUCSP


Charles Sanders Peirce nasceu em Cambridge, no dia 10 de setembro de 1839 e faleceu em Milford, no dia 19 de abril de 1914. Filho de Benjamin Peirce, renomado matemático de Harvard, Peirce se dedicou inicialmente aos estudos da Química, tendo mesmo alcançado o doutoramento também em Harvard. Extremamente ligado às ciências, Peirce foi um dos primeiros pensadores a se preocupar com a linguagem científica. Não estudou apenas Filosofia, mas, também, química, física, astronomia, linguística filologia, história e psicologia.

Leia mais...
38. Espaço-Poesia
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Ouro de Tolo

Raul Seixas

Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
Por mês...

Leia mais...

Paradigmas 41

AddThis Social Bookmark Button

A viagem suicida pós-moderna

A solidão como saída

Mateus Ramos Cardoso

Especialista em Ética pela Finon

                  Nosso modo de viver moderno é caracterizado pelo desenvolvimento cada vez mais rápido no qual a tecnologia a cada dia supera a si mesma. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A arte como fator de existência 

Uma análise da obra do artista plástico Neusso Ribeiro

Regina Drumond Moraes

Curso de Filosofia da UFES

Este artigo tem como objetivo explicar e analisar a obra do artista plástico autodidata Neusso Ribeiro.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Poesia, linguagem e habitar em Heidegger

 Siloe Cristina do Nascimento Erculino

Mestranda em Filosofia -  UFES

Heidegger (1889-1976), filósofo alemão, desenvolveu em seus trabalhos “a questão do sentido do ser” , segundo ele, foi esquecido pela metafísica.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Ciência e pós-modernidade

AS DIFICULDADES DO SABER CIENTÍFICO NAS SOCIEDADES PÓS-MODERNAS: CONCEPÇÕES E CRÍTICAS A JEAN-FRANÇOIS LYOTARD

Artur Mazzucco Fabro

Graduando em Ciências Sociais na UFSC

Jean-François Lyotard nasceu em 1924 e é considerado um dos mais brilhantes filósofos da sua geração. O francês fazia parte do grupo “Socialismo e Barbárie”, junto com Cornelius Castoriadis, e foi um ativista da guerra de independência da Argélia (1954-1962).

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Kant: possibilidades e limites da ciência

O porquê de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência, com base nas Seções de IV a VI da Introdução da Crítica da Razão Pura de Kant.

José Antonio Zago
Mestre em Filosofia da Educação UNIMEP

O objetivo deste trabalho é apresentar uma dissertação com base na leitura das Seções de IV a VI da Introdução da obra Crítica da Razão Pura, demonstrando o porquê, para Kant, de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Com Eduardo Palmeira Bandeira,

Psicólogo Clínico Pós-graduado pela Univ. da California-USA.
Prof. de Teorias e Técnicas Psicoterápicas e Arteterapia;

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Quinhentos Anos de Quê?


Eram três as caravelas
que chegaram além d`além
mar.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XIII - n. 41

ISSN 1980 - 4342

março/abril – 2014

Leia mais...