AddThis Social Bookmark Button

Coluna do Leitor

Alguns vencedores

Todos os grandes homens foram grandes por não se colocarem como vítimas, desiludidos e desanimados.

Beethoven segurava o violino desajeitadamente e preferia tocar suas próprias composições ao invés de aperfeiçoar sua técnica.

Seu professor julgava-o um compositor sem futuro.

Os pais do famoso cantor de ópera Enrico Caruso queriam que ele fosse engenheiro. Seu professor lhe disse que ele não tinha voz e não poderia cantar.

Charles Darwin, pai da Teoria da Evolução, abandonou a carreira médica e ouviu de seu pai: "Você não se importa com nada além de cães, caçar ratos e atirar".

Em sua autobiografia, Darwin escreveu: "Fui considerado, por todos os meus mestres e por meu pai, um garoto muito comum, bem abaixo do padrão intelectual normal".

Walt Disney foi despedido pelo editor de um jornal por falta de idéias.

Ele também faliu várias vezes antes de construir a Disneylândia.

Os professores de Thomas Edison disseram que ele era burro demais para aprender alguma coisa.

Albert Einstein não falou antes dos quatro anos e não leu antes dos sete.

Seu professor o descreveu como "mentalmente lento, insociável e eternamente mergulhado em seus sonhos imbecis".

Foi expulso e sua admissão na Escola Politécnica de Zurich foi recusada.

Louis Pasteur foi apenas um aluno medíocre nos estudos de primeiro grau; ficou em 15º lugar entre 22 alunos de química.

O pai do escultor Rodin disse: "Tenho um filho idiota".

Descrito como o pior aluno da escola, Rodin foi reprovado três vezes no exame de admissão da escola de artes.

Seu tio chamava-o de "ineducável".

Após o primeiro teste cinematográfico de Fred Astaire, o grande bailarino, o memorando do diretor de teste da MGM, dizia: "Não sabe representar! Ligeiramente calvo! Dança um pouco!"

Astaire conservou esse memorando pendurado sobre a lareira em sua casa de Beverly Hills.

Henry Ford fracassou e faliu cinco vezes antes de ser finalmente bem-sucedido.

Winston Churchill repetiu a 6ª série. Só foi primeiro-ministro da Inglaterra aos 62 anos e, mesmo assim, depois de uma eternidade de derrotas e retrocessos.

 

Home      Capa

  • leiamais

Leia também outros artigos

37. Nietzsche: transmutação do espírito, lidar com a história
AddThis Social Bookmark Button

Nietzsche:  transmutação do espírito, lidar com a história  

 

Tiago Pinto dos Santos

Estudante do 6º semestre de Filosofia - UNISANTOS

 

Nietzsche destaca-se na história do pensamento por ser um homem que grita sozinho e destoa no meio de uma multidão que canta em uníssono. Sua voz é estrondosa e provoca rupturas nas paredes que a cercam – as paredes da tradição. É o melhor dos mundos possíveis este no qual habitamos? É o movimento da história bom e perfeito como um deus, diante do qual nós deveríamos

Leia mais...
Michel Foucault: um intelectual específico
AddThis Social Bookmark Button

Michel Foucault: um intelectual específico

 

Para Foucault, não podemos pensar o papel do intelectual separado de seu engajamento político, e, para demonstrar esta questão, ele vai apontar a diferença entre o intelectual universal e o intelectual específico, mostrando que o intelectual que atuava no plano do “universal” e do “exemplar” é

Leia mais...
Teste seus Conhecimentos - 35
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus

Conhecimentos

 

1. Segundo Platão, em sua busca por uma explicação racional para a criação do mundo, o cosmo foi criado por um demiurgo, sendo de natureza orgânica, viva e racional.  Ainda segundo Platão, a alma do homem é dividida em:

Leia mais...
38. Espaço-Poesia
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Ouro de Tolo

Raul Seixas

Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
Por mês...

Leia mais...
40. Charles S. Peirce: A lógica da investigação e sua semiótica
AddThis Social Bookmark Button

Charles S. Peirce:
A lógica da investigação e sua semiótica

Luiz Meirelles

Mestre em Filosofia - PUCSP


Charles Sanders Peirce nasceu em Cambridge, no dia 10 de setembro de 1839 e faleceu em Milford, no dia 19 de abril de 1914. Filho de Benjamin Peirce, renomado matemático de Harvard, Peirce se dedicou inicialmente aos estudos da Química, tendo mesmo alcançado o doutoramento também em Harvard. Extremamente ligado às ciências, Peirce foi um dos primeiros pensadores a se preocupar com a linguagem científica. Não estudou apenas Filosofia, mas, também, química, física, astronomia, linguística filologia, história e psicologia.

Leia mais...