AddThis Social Bookmark Button

Observador Macroeconômico

O Problema central

O problema do desemprego e da violência que vem afligindo de forma crescente a sociedade brasileira e, em particular, os moradores das grandes cidades, está intimamente relacionado com a mudança estrutural sofrida pela economia nos últimos 30 anos. Desde o final dos anos 70 prioriza-se no Brasil o investimento que utiliza muito capital intensivo e pouca mão-de-obra. São setores como o do aço, da petroquímica e da celulose, que requerem bilhões de dólares em investimentos e geram pouquíssimos empregos em relação ao capital investido. Segmentos que absorvem o trabalho humano em larga escala, como o têxtil, o de confecções e, principalmente, o da construção civil, deixaram de receber atenção governamental e estagnaram ou retrocederam,  excluindo milhões de trabalhadores do mercado formal, com as conseqüências obvias: precarização do mercado de trabalho, diminuição progressiva da renda e desestruturação do tecido social. Esse quadro é infinitamente mais grave na periferia das regiões metropolitanas e o resultado mais tangível dessa equação é o aumento explosivo da violência, levando toda a sociedade a um profundo mal-estar e os governantes a uma sensação de impotência diante dos fatos.

A solução, ao contrário de grande parte do pensamento corrente, não está no agigantamento do sistema carcereiro ou no aumento da repressão policial, pois a violência no Brasil é um problema econômico. Devem–se urgentemente redirecionar todos os recursos disponíveis para alavancar mão-de-obra em larga escala, como o  saneamento básico e o habitacional. Com medidas como essa, gerar-se-iam milhões de novos empregos, solucionar-se-ia o déficit de moradias e de saneamento, e teríamos uma redução significativa da violência urbana: isso desanuviaria o ambiente social e permitiria encurtarmos o caminho para o estabelecimento de uma sociedade mais fraterna, que é o anseio de todos os brasileiros.

Valter Pereira Appas

 

Home      Capa

  • leiamais

Leia também outros artigos

39. Filosofar pra quê?
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Filosofar pra quê?

Edson Pipoca

blogdopipoca.wordpress.com

 

 As pessoas dizem: “Filosofia é muito chata!” E é mesmo! Daqui imagino 10 coisas legais que poderíamos fazer em lugar de Filosofar. Ficar no facebook postando filosofia de beira de estrada; arrumar uma gata e... bem ... e ter filhos... e pagar pensão, e... ficar filosofando sobre e se eu tivesse usado camisinha? Bem, talvez não sejam 10, mas o troço é de pirar o cabeção mesmo. 

Leia mais...
Controle de constitucionalidade e democracia: uma reflexão a partir de Ronald Dworkin
AddThis Social Bookmark Button

Controle de constitucionalidade e democracia: uma reflexão a partir de Ronald Dworkin

1 - Considerações iniciais

 O presente trabalho discute, a partir do filósofo americano Ronald Dworkin, um dos problemas mais latentes da democracia atual, a saber, o controle de constitucionalidade. Tal problema surge quando não fica bem claro, num determinado estado democrático de direito,

Leia mais...
Entrevista Mônica Aiub
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Mônica Aiub­­1

Colaboração: Almir José da Silva

O que é Filosofia Clínica? E como se originou este ramo?

A filosofia clínica é uma terapia que faz uso da metodologia filosófica para abordar questões existenciais, e tem como princípios fundamentais o respeito à singularidade e a

Leia mais...
39. A significação do Baobá na cultura africana
AddThis Social Bookmark Button

 A significação do Baobá na cultura africana e suas transmutações ideológicas pós-contato europeu.

Vanderleia Barbosa da Costa

Graduanda em Gestão de Turismo

 pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo- Campus Cubatão

O Baobá é uma árvore originária das estepes africanas e regiões semiáridas de Madagascar, seu nome científico é Adansonia digitata; pode atingir até 30 metros de altura por 7 metros de circunferência. É resistente, sobrevivendo por longos períodos de estiagem, devido à sua capacidade de armazenar água, cerca de 120 000 litros e atinge até seis mil anos de idade. Pela magnitude e força, o Baobá é para muitas etnias africanas a árvore da vida.

Leia mais...
41.A arte como fator de existência em Neusso Ribeiro
AddThis Social Bookmark Button

A arte como fator de existência 

Uma análise da obra do artista plástico Neusso Ribeiro

Regina Drumond Moraes

Curso de Filosofia da UFES

Este artigo tem como objetivo explicar e analisar a obra do artista plástico autodidata Neusso Ribeiro.

Leia mais...