AddThis Social Bookmark Button

Observador Macroeconômico

Mantendo sempre a direita

 

A Constituição de 88 tentou resgatar o povo brasileiro de séculos de exclusão social e injustiças, porém, manteve vícios institucionais que impedem os avanços por ela preconizados. A estrutura política que levou o país a ter uma das sociedades mais desiguais do planeta, foi mantida intacta pela atual Carta Magna. O processo eleitoral continua com os mesmos vícios que perpetuam as oligarquias de uma forma ou de outra no poder. Sim, de uma forma ou de outra. Em 2002, pela primeira vez na História elegeu-se um presidente não originário das elites e com propostas verdadeiramente transformadoras, que, em princípio, levariam a uma reversão do processo de pauperização de uma parcela crescente da população brasileira. Nada disso porém está sendo levado a cabo. Numa surpreendente guinada ideológica, o presidente eleito e os cardeais de seu partido, negando décadas de discursos, anunciam uma política econômica à direita do F.M.I., perpetuando com sua ortodoxia o modelo concentrador de renda responsável pelo apartheid social em que o país se encontra hoje. O mais surpreendente, mas previsível, é que para dar respaldo a essa política, monta uma coalizão com os partidos que sempre abrigaram os representantes da parte mais retrógrada e conservadora da sociedade. Estarrecedor? Não,

caro leitor, a Constituição “cidadã” de 88, em seus infindáveis artigos e parágrafos, perpetuou no poder uma eterna “república oligárquica”, já que o processo eletivo impede um parlamento verdadeiramente representativo do espectro social, ele induz sempre a predominância de representantes das elites, ou comprometidos com ela.

            Portanto, poderíamos eleger Lenin para presidente que seu governo seria conservador, porque o Congresso sempre é. Sem uma reforma política que mude a estrutura do parlamento, será difícil mudar o país de verdade. Qualquer presidente, com qualquer proposta, terá que compor sempre com um parlamento viciado. O atual, não teve cerimônia, leiloou cargos e ministérios sem pedir atestado de antecedentes. O resultado é um governo Frankstein, que usa de marketing para parecer Alain Delon.

            Para mudarmos efetivamente os rumos do país, temos que colocar no topo da agenda nacional a reforma política, e mobilizar a sociedade civil organizada, pressionando para que o processo eletivo seja finalmente moralizado. Do contrário, o poder nunca mudará efetivamente de mãos. Quanto à brusca mudança ideológica do atual governo, a única explicação é a de que em termos de estelionato eleitoral, o Brasil até as últimas eleições só tinha conhecido amadores.

Valter Pereira Appas

Professor de História,

Geopolítica e Economia

 

 

Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Poesia, linguagem e habitar em Heidegger

 Siloe Cristina do Nascimento Erculino

Mestranda em Filosofia -  UFES

Heidegger (1889-1976), filósofo alemão, desenvolveu em seus trabalhos “a questão do sentido do ser” , segundo ele, foi esquecido pela metafísica.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus

Conhecimentos

 

  1. Para Vigotsky, a linguagem:
  2. Possui valor absoluto diante da realidade Leia mais...
    AddThis Social Bookmark Button

    Filosofia com Pipoca

    Pau que nasce torto se endireita

     Edson Pipoca

    Por que um pensador de esquerda dá pra trás?! Bem, há a derrocada do comunismo... não, não! Parece-me algo mais palpável, sabe?! Matéria pura! Eu por exemplo tive um amigo que era o tipo de esquerda de carteirinha, quer dizer, sem carteira, já que não tinha dinheiro pra nada. Um duro!

    Leia mais...
    AddThis Social Bookmark Button

    Kant: possibilidades e limites da ciência

    O porquê de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência, com base nas Seções de IV a VI da Introdução da Crítica da Razão Pura de Kant.

    José Antonio Zago
    Mestre em Filosofia da Educação UNIMEP

    O objetivo deste trabalho é apresentar uma dissertação com base na leitura das Seções de IV a VI da Introdução da obra Crítica da Razão Pura, demonstrando o porquê, para Kant, de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência.

    Leia mais...
    AddThis Social Bookmark Button

    A arte como fator de existência 

    Uma análise da obra do artista plástico Neusso Ribeiro

    Regina Drumond Moraes

    Curso de Filosofia da UFES

    Este artigo tem como objetivo explicar e analisar a obra do artista plástico autodidata Neusso Ribeiro.

    Leia mais...