AddThis Social Bookmark Button

Editorial

Realidade, discurso e verdade: uma questão de consenso?

         Uma das questões fundamentais no campo da filosofia diz respeito à questão da realidade. É muito interessante como por muitos séculos, essa foi uma questão de muito debate, será que o que se consegue perceber realmente existe ou é uma cópia, metafisicamente vinda de algum lugar e presente na memória? Portanto, estamos diante de uma problemática que envolve muita coisa, mas, sobretudo, a questão da verdade.

         Alguns poderão dizer: “O que eu vejo é o que é!”. Mas será que poderemos ter certeza disto, quem pode garantir mesmo que não estamos nos enganando? René Descartes, um dos mais notáveis dentre os filósofos modernos, falou que a razão é o que nos pode dar a certeza, apresentando até um método (no seu brilhante livro, “O Discurso do Método”), estabelecendo um caminho que levou o ocidente cada vez mais para a autonomia da razão humana, procurando perceber o real e, na medida do possível, debater sobre a verdade.

         Porém, existem também muitas opiniões contrárias. Os homens trazem originalmente uma dificuldade muito grande para consensos mínimos que permitam, quem sabe, enfrentar melhor o cotidiano de cada um. Ficamos assim, em mundos diferentes, porém, imersos na realidade a qual, contudo, é uma só, para todos. No fundo, é a relatividade que marca presença, tudo depende do ponto de vista, do peso ideológico de quem fala, dentre outros aspectos.

         Dessa forma, em geral, o poder da mídia torna-se muito grande, porquanto procura trazer a realidade para todos. Os últimos acontecimentos da vida política nacional e até mesmo internacional corroboram esse entendimento. Quem fala a verdade no campo internacional ou nacional, em se tratando de política, por exemplo?

         Tanto na vida política nacional e na internacional, observa-se um esgotamento, de uma certa maneira, do fazer política, de pensá-la como expressão de uma sociedade. O velho discurso iluminista da cidadania parece muito esgotado, pois fica cada vez mais claro que, na maioria dos paises Ocidentais, encontramos uma dupla cidadania, uma com o peso ideológico escorado pelo peso financeiro e ditadora de uma certa realidade; outra não consegue jamais, mesmo sendo ampla maioria, colocar em prática sua versão da realidade, ou melhor, sua leitura do real, e, portanto, o que lhe sobra são algumas migalhas. Não pensemos que este é um problema do Brasil, tão somente, mas, sim, uma problemática internacional; basta uma breve pesquisa sobre os índices de abstenções em vários paises em eleições gerais e essa situação se mostrará claramente.

         Porém, filosoficamente, há algumas esperanças... E é precisamente o crescente enfado que vai tomando conta de todos, a rejeição implícita e explícita percebidas no semblante de cada um, algumas pequenas mudanças de participação do conjunto da população mais explorada a cada eleição, enfim, as manifestações que eclodem, aos poucos, aqui e acolá.

         Essa dupla situação coloca toda a reflexão filosófica em alerta, e é natural que isso ocorra, pois se torna imperioso novamente a falar sobre a realidade e a verdade, questões que permeiam todos os discursos desde as primeiras civilizações e que, no ocidente, mereceu especial atenção de alguns dos maiores pensadores.

         O filósofo alemão Emmanuel Kant concluiu que a verdade está nas coisas. Outro alemão, Hegel, por sua vez, afirmou que “o real é racional e o racional é o real”. Daí surgem ao menos duas questões: adotando o pensamento kantiano, conclui-se que ao homem cabe o papel, no que diz respeito à verdade, de tentar conhecê-la, posto que já é dada nas coisas. Por outro lado, pensando como Hegel, então caberia ao homem o papel de estabelecer a verdade, porquanto o real, ou verdadeiro, é o que a razão do homem estabelece.  

As questões aqui colocadas são, evidentemente, apenas embrionárias, porquanto a discussão desenvolve-se muito mais agudamente, principalmente entre os filósofos contemporâneos.

Assim, fica feito, pois, o convite à reflexão sobre a realidade, a verdade e o poder do discurso, sobretudo nesses tempos em que a verdade cristalina de “ontem” não sobrevive ao “hoje” e os discursos mudam ao sabor dos hemisférios.

Agenda

2004
Cursos livres

 Do Medievo ao Renascimento

2 x  R$40,00

Ética e Justiça: a proposta de Enrique Dussel para libertação

2 x R$40,00

Filosofia da Educação:

 teorias e práticas

2 x R$40,00

As teorias de Galileu diante da Inquisição

2 x R$40,00

 

Inscrições:

Tel. (13) 3222-1949 (CEFS)

Rua Júlio Conceição, 206,

V. Mathias, Santos/SP

=========================

Expediente

Jornal Paradigmas, uma publicação do CEFS – Centro de Estudos Filosóficos de Santos

O CEFS é uma entidade sem fins lucrativos, que tem como objetivo fundamental levar a Filosofia a toda a sociedade, sem qualquer discriminação, contribuindo, assim, com a formação da consciência crítica do cidadão e propiciando-lhe, por conseguinte, melhor reflexão e atuação diante da realidade de que faz parte.

Presidente

Luiz Meirelles

Vice-Presidente

Ronaldo Ronil da Silva Jr.

Conselho Editorial

Cristiane Guapo / José Sobreira Barros Jr 

Luiz Meirelles

 Jornalista Responsável

Beth Capelache

Mtb.: 2.383.802

 Os artigos assinados não refletem, necessariamente, a opinião do CEFS.

 CEFS

Rua Júlio Conceição, 206

 Cep 11015-540 Santos/SP

Telefone: (13) 3222-1949

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 Impressão

Gráfica Guarani

Rua Bittencourt,  Santos/SP

Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Metáfora

Uma lata existe para conter algo

Mas quando o poeta diz: "Lata"

Pode estar querendo dizer o incontível

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

A grande polêmica entre Heráclito e Parmênides

Lídice Chaves

Estudante do 5º semestre de Licenciatura em Filosofia na UnimesVirtual

Luiz Mendes: Bem, boa noite. Um dos nossos entrevistados do Paradigmas  de hoje é o filósofo Heráclito, uma personalidade das mais instigantes do mundo do pensamento, que lança na próxima semana um novo Epigrama, como sempre abordando as questões relativas ao Cosmos e à alma humana. Conosco também o

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A viagem suicida pós-moderna

A solidão como saída

Mateus Ramos Cardoso

Especialista em Ética pela Finon

                  Nosso modo de viver moderno é caracterizado pelo desenvolvimento cada vez mais rápido no qual a tecnologia a cada dia supera a si mesma. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A Interpretação de Hannah Arendt da proairesis aristotélica

 Adriano Martins Soler

Mestrando em Filosofia - PUCSP

Introdução

O presente artigo trata de uma releitura do texto exposto na primeira parte do Capítulo 2 – A descoberta do homem interior – do Volume 2 – O Querer (A vontade) – da obra A Vida do Espírito de Hannah Arendt. Depois do Pensar, é o Querer que é solicitado, para confiar o segredo antropológico da aberração que, certo destino histórico da modernidade, demonstrou através de uma nova crítica do juízo. Desta vez, Arendt vai em busca de uma genealogia das teorias da vontade - da proairesis antiga até Nietzsche e Heidegger, passando pelo pensamento medieval.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Pau que nasce torto se endireita

 Edson Pipoca

Por que um pensador de esquerda dá pra trás?! Bem, há a derrocada do comunismo... não, não! Parece-me algo mais palpável, sabe?! Matéria pura! Eu por exemplo tive um amigo que era o tipo de esquerda de carteirinha, quer dizer, sem carteira, já que não tinha dinheiro pra nada. Um duro!

Leia mais...