AddThis Social Bookmark Button

Coluna do Leitor

Alguns aspectos da nova ordem mundial

O momento que o mundo está atravessando é inegavelmente especial. É o momento de consolidação, não sem dor, da Nova Ordem Mundial, em que antigas estruturas sócio-econômicas e também políticas, estão sendo desmanteladas. Algo muito mais profundo e complexo do que o processo de transição da Idade Média para a Idade Moderna, porém tão antigo quanto.

Gradativamente, teremos a substituição do Estado-Nação pelo Estado-Mercado,  consolidando a globalização do capitalismo selvagem, que acabará por fincar sua bandeira no coração das utopias socialistas. Talvez não venha a ser, ainda, o golpe de misericórdia na esperança de uma sociedade justa e igualitária, pois em muitas regiões do planeta, as diferenças sociais ainda estão a séculos de serem reduzidas, mas o fato é que a estrutura de um Estado-Mercado e apolítico proporciona a ilusão de podermos realizar nossos maiores desejos individuais, equacionados pela lógica do mercado que tem na publicidade seu braço ideológico, que transforma tudo em mercadoria, necessidade vital e sonho de consumo.

Aonde tudo isso nos levará é uma incógnita. Porém alguns efeitos já fazem parte de nosso cotidiano. A lógica do mercado é excludente, vence o mais forte, e nem sempre o mais competente, e o mais forte é o que detém o poder do capital ou o que detém o poder das armas e ambos estão cada vez mais unindo forças, gerando insegurança e obrigando-nos a fazer um caminho inverso em nossa jornada evolutiva: estamos retornando à mítica caverna de Platão, um cenário brilhantemente retratado por José Saramago em sua obra “A Caverna”, que analisa a desestruturação da vida de um artesão diante das novas exigências do mercado representado por um grande centro comercial, ou seja, os shopping centers, tão comuns hoje em nossas cidades, e que nos seduzem com o conforto, a segurança e com a facilidade de nos oferecerem quase tudo o que “necessitamos”.

Talvez a face mais cruel desse processo resida no fato de que a criatividade humana esteja com seus dias contados. O exemplo mais latente é o da indústria cultural e seu produto, a cultura de massa, que sufoca e destrói a cultura popular reduzindo seus espaços de manifestação, impondo as regras do mercado aos artistas e acabando com a espontaneidade da expressão artística, gerando assim uma cultura que não é fruto de uma reflexão, de uma busca e de um talento inato, mas que tem como único objetivo o lucro. Não é arte, é apenas produto descartável, perecível, que jamais se inscreverá na memória, mesmo de quem a consome.

O próprio saber e a busca de conhecimento, vêem-se atrelados à necessidade das indústrias em seus respectivos campos de atuação. A vida pragmatizou-se, as escolas preparam os alunos para os vestibulares e as faculdades os preparam para a competitividade do mercado de trabalho. Enquanto isso, valores humanos que até pouco tempo nos eram caros, hoje são esquecidos, removidos como entulho que atrapalha o caminho daqueles que querem “se dar bem na vida”. A Nova Ordem, construída pelas teorias neoliberais, prevê uma outra ética e a amoralidade em detrimento do lucro.

Diante disso, pode-se constatar que o futuro foi um sonho que nunca nos coube, que o futuro nem ao menos a Deus pertenceu, mas esteve sempre nas mãos dos deuses da guerra e dos deuses do comércio, unidos em uma cilada para nos capturar.

 

Luiz Antonio Canuto dos Santos

Professor de História,

Poeta e Escritor.

 

Home      Capa

  • leiamais

Leia também outros artigos

Entrevista Mônica Aiub
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Mônica Aiub­­1

Colaboração: Almir José da Silva

O que é Filosofia Clínica? E como se originou este ramo?

A filosofia clínica é uma terapia que faz uso da metodologia filosófica para abordar questões existenciais, e tem como princípios fundamentais o respeito à singularidade e a

Leia mais...
40. Entrevista com Renato Nunes Bittencourt
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Com Renato Nunes Bittencourt,

Doutor em Filosofia - UFRJ.
Especialista em Filosofia Grega Antiga, Espinosa, Schopenhauer,
Nietzsche, Marx, teoria psicanalítica e temas relacionados a
teoria da comunicação, comunicação corporativa, Moda
Consumo e crítica da cultura contemporânea

Colaboração:

Wellington Lima Amorim

 

1. Partindo do pressuposto de que o conceito de Pós-modernidade expressa um período de transição entre a Modernidade e um futuro ainda por ser construído, pode-se afirmar que a contemporaneidade é marcada pela desconstrução dos valores do sujeito e o aparecimento do conceito de pessoa, como recusa do assujeitamento do sujeito moderno?

Leia mais...
Entrevista Márcia Heloísa
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Márcia Heloísa

Educadora e Filósofa

 

Tema: Filosofia com Crianças!

 1. Márcia, como nasceu esta experiência?

A filosofia com crianças nasce de estudos filosóficos e experiências educativas empreendidos pelo filósofo e educador norte-americano Matthew Lipman.

Leia mais...
Expediente 35
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Paradigmas
Filosofia, Realidade & Arte

Ano IX - Nº 35
ISSN 1980-4342

Março/Abril 2009

Leia mais...
38. As raízes histórico-filosóficas da alegoria
AddThis Social Bookmark Button

As raízes histórico-filosóficas da alegoria 

 

Julio Cesar Moreira

Mestrando em Filosofia pela PUC-SP

Este artigo é a primeira parte de um estudo tem por objetivo realizar um levantamento no estudo do tema da interpretação alegórica nas doutrinas da escola Neoplatônica. Ao estudarmos o Neoplatonismo é claramente apreensível o quão fundamental e intrínseco ao pensamento Neoplatônico é o componente da exegese alegórica, porém este tema não se tem a devida atenção no meio acadêmico.

Leia mais...